terça-feira, 18 de março de 2014

Avião da Malásia desviado para Diego Garcia ?

.











É difícil acreditar que no mundo hiper-vigiado de hoje, um avião do tamanho de um Boeing 777 desapareça durante 10 dias sem deixar rasto.

A investigação inicial foi recheada de contradições, a análise dos satélites dessa região tardia e surgiu um inhabitual conjunto de meios aéreos e navais rapidamente colocados no terreno, como se houvesse um interesse particular em chegar o primeiro ao local do suposto acidente ou em baralhar as pistas.




Circula na Internet, um documento que terá sido elaborado pelo departamento de Defesa da Federação Russa e no qual consta que um carregamento "altamente suspeito" terá sido descarregado na República das Seychelles pelo navio americano porta-contentores MV Maersk Alabama, no dia 17 de fevereiro deste ano.


Posteriormente essa carga foi carregada num voo dos Emirates em direcção a Kuala Lumpur, após uma passagem pelo Dubai. No dia 19 de fevereiro, ou seja dois dias depois, dois oficiais de segurança do MV Maersk Alabama foram encontrados mortos, a causa de morte ainda está a ser investigada.


No dia 8 de março, o carregamento terá sido transferido para o avião da Malásia agora desaparecido. Foi nessa altura que o Ministério de Segurança Chinês foi informado da suspeita relativa à carga transportada pelo avião. A China informou Moscovo que todas as medidas de segurança e discrição seriam tomadas quando avião entrasse no seu espaço aéreo.


A China planeava desviar o avião (com destino a Pequim) para o aeroporto de Haikou Melian, na ilha de Hainan.


Segundo tudo indica, o avião uma hora depois de descolar, terá emitido uma última comunicação verbal e desligado os seus sistemas de sinalização, de seguida terá efectuado um desvio "significativo" em relação à sua rota inicial, tendo tomado a direcção do Oceano Índico.


Terá baixado de altitude, passou a voar a 1500 metros de altitude, escapando assim aos radares. Informações iniciais revelaram que o sistema de monitorização dos motores Rolls Royce do avião continuaram a funcionar mais de quatro horas depois do seu desaparecimento. Este facto foi mais tarde desmentido.


O relatório avança que o avião ter-se-à dirigido para o atol de Diego Garcia, no arquipélago de Chagos, onde os Estados Unidos possuem uma das suas maiores bases navais, após terem deportado todos os seus nativos em 1970.







Essa base americana terá recebido, no dia seguinte ao desaparecimento do avião, quatro voos em que seguem a bordo especialistas americanos e chineses na prevenção e controlo de doenças (CDC e CCDCP).


O carregamento suspeito poderá ter sido de armas biológicas, ou eventualmente químicas.


O avião poderá ter sido desviado, e até controlado à distancia em direcção a Diego Garcia, o que explica a abrupta mudança de rota, o difícil voo a baixa atitude em comando manual e a rota predefinida que permitiu escapar aos radares.


É difícil compreender que um avião deste tamanho desapareça num espaço aéreo tão vigiado, porque estratégico, como este.
Curiosamente, a análise do simulador de voo encontrado em casa do piloto, aponta como treino preferencial cinco aeroportos, um dos quais Diego Garcia.







.

28 comentários:

  1. Olá Octopus...
    Quanto ao simulador é simplesmente o FSX/FS2004! Um jogo de computador que até eu tenho. E como calculo que o bacano fazia voos online (IVAO ou outra rede de voos virtuais) é natural que fizesse voos naquela região! Eu também já por lá andei a voar!

    Se fosse a transportar algo até podia ser um protótipo de chip! Daqueles fantásticos!

    Abr
    VOZ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho cá em terras brasileiras um primo do meu irmão Arlindo - cientista Phd.
      O conspícuo gajo confirma tese a referir sequestro.
      ljpiuntiescritor@uol.com.br
      Itu - Sao Paulo - Brasil

      Eliminar
  2. Ah! Como é boa uma teoria da conspiração sem qualquer tipo de prova concreta e afirmações sem conhecimento técnico.

    Infelizmente não acontece apenas na blogoesfera, mas também em meios generalistas.

    Um pequeno exemplo: "o difícil voo a baixa atitude em comando manual e a rota predefinida que permitiu escapar aos radares." "(...)1500 metros".

    1500 metros são aproximadamente 4500 pés. Qualquer radar primário, militar ou não, teria um enorme eco de uma aeronave das dimensões do B777 da Malasyan Airlines. Especialmente sobre o mar, onde o clutter provocado pelo terreno é praticamente nulo.

    É fabuloso, surpreendente e decepcionante quando alguém pode considerar voar um avião a 4500 pés "difícil" e com o objectivo de fugir a um radar. Simplesmente, não é verdade.

    Qualquer técnica de de voo que pretenda iludir uma imagem de radar passa por duas premissas:
    - Voar MUITO baixo (e 4500´ não é muito baixo nem baixo!)
    - Utilizar o clutter provocado pelo terreno e a sua orografia a seu favor (o que não existe sobre o mar).

    Por vezes as explicações mais procuradas... são mesmo as mais simples.
    Quem não se lembra do desaparecimento do Boeing 747 da South African Airlines no Índico?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso estar enganado mas acho que a noticia falava em 1500 pés, friso, posso estar enganado.

      Eliminar
    2. Confirmei, estou errado. Peço desculpa pela intrusão.

      Eliminar
  3. Caro anónimo,

    Não tenho conhecimentos suficientes em aeronótica, mas pelo que sei o voo em baixa altitude pressupõe uma maior densidade do ar e portanto vibrações e dificuldade de sustentação. Isto em relação à dificuldade de sustentação de um avião deste tipo.

    Quanto aos radares: existem dois tipos de radares, os "primários", militares, que emitem um sinal em relação a qualquer superfície metálica, o único meio de escapar é de voar a baixa altitude em que os aviões Awacs que a alta altitude os podem detectar. Muito poucos países os possuem.

    Existe os radares secundários da aviação cívil que utilizam os transportadorespara "comunicar" com os aviões, que basta desligar para escapar a esses radares.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, apenas se pode voar abaixo do radar quando se voa a cerca de 500 pés ou menos. E com os sistemas sofisticados de controlo de voo e com tecnologia fly-by-wire, o rádio altímetro ligado ao piloto automático manteria o avião sempre abaixo dos 500 pés. 4500 pés de altitude não representam dificuldade alguma.

      Eliminar
  4. Maersk Alabama? O mesmo do filme do Tom Hanks? Francamente, se quer inventar uma treta ao menos tenha um bocado mais de imaginação.

    ResponderEliminar
  5. ameaça terrorista? Avião da Malásia pode ter sido abatido por militares americanos ao invadir o espaço aéreo britânico no atol diego garcia island e por em risco a segurança ingleses e americanos que ali se instalaram... pode ser????

    ResponderEliminar
  6. ameaça terrorista? Avião da Malásia pode ter sido abatido por militares americanos ao invadir o espaço aéreo britânico no atol diego garcia island e por em risco a segurança ingleses e americanos que ali se instalaram... pode ser????

    ResponderEliminar
  7. O documento que descreve soa-me a um tipo clássico de peça de desinformação.

    (Documento, supostamente ultra-secreto, que - como que por magia - vai parar ao grande público e que contém logo a história toda nesse mesmo - único - documento...)

    Mas, quando alguém se dá ao trabalho de emitir tão elaborada desinformação, normalmente, é porque há algo de muito importante a esconder.

    (O que levanta a hipótese de ter acontecido algo de muito importante com/em este voo, que os interesses que passam a vida a emitir desinformação não querem que as pessoas saibam...)

    Terá sido isto que queriam tais interesses encobrir?:

    http://actualidad.rt.com/actualidad/view/123046-rothschild-hereda-patente-semiconductores-avion-malasio

    (Lembrem-se de que: os aviões usados nos atentados de 11 de Setembro, há mais de 12 anos atrás, foram muito provavelmente pilotados por controlo remoto; que os grandes interesses económicos ocidentais têm o hábito de incluir acesso remoto escondido na tecnologia que vendem; e que este avião é de fabrico norte-americano.)

    (E, lembrem-se também que uma das maneiras mais comuns que o poder estabelecido tem de se livrar de pessoas incómodas é com supostos "acidentes aéreos"...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «quando alguém se dá ao trabalho de emitir tão elaborada desinformação, normalmente, é porque há algo de muito importante a esconder»

      A esconder/encobrir, ou relativamente ao qual se quer lançar a confusão (devia eu ter dito)...

      Pois, a história que é descrita, nesse documento, é muito parecida à real - de que havia "algo" de importante a bordo.

      Por isso, a ter sido este desastre um propositado, será do interesse de quem esteve por trás disto andar a espalhar histórias parecidas - relativamente às quais não haja provas; e que sejam histórias ridículas - para que, quando alguém vier com a verdadeira, a reacção das pessoas seja: "Sim. Pois... Mais uma teoria ridícula..." (Desvalorizando, logo, a explicação verdadeira - e não se interessando pela mesma.)

      Eliminar
    2. Plenamente de acordo...
      Eh isso o k penso

      Eliminar
  8. Claro que essa é uma das possibilidades, mas porque diabo um aparente avião de linha iria invadir o espaço desse atol, quando nenhuma organização terrorista reivindicou qualquer desvio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A única organização verdadeiramente terrorista e a CIA e seus acólitos...

      Eliminar
  9. Fernando,

    Esse facto é muito importante, dado que neste avião viajavam 20 funcionários da Freescale.

    ResponderEliminar
  10. Eu sempre imaginei que algo muito suspeito estaria por detrás do desaparecimento do passarinho voador...........Este artigo faz muito sentido, mas o do Jacob Rothchild não lhe fica atrás.............!

    ResponderEliminar
  11. Para os «inteligentes» comentadores: se o avião foi abatido, ou se caíu no mar... onde estão os destroços??? E porque não poderia voar a 1500mts de altitude? Um piloto com experiência, pode voar a essa altitude com um avião daquela dimensão. O mais certo é ter sido desviado e esta teoria até nem é descabida... as pessoas??? As pessoas são números assim como todos nós.

    ResponderEliminar
  12. Sinistro... muito sinistro!

    ResponderEliminar
  13. E os mais de 200 passageiros? Tb faziam parte do esquema? Ou foram todos assassinados pelos americanos, com o conluio dos milhares de soldados que na Base resolveram simplesmente enterrar os corpos e não dizer nada?

    deixem-se de merdas!

    ResponderEliminar
  14. Caro anónimo,

    O que menos importa são os passageiros!
    Claro que a maioria não fziam parte do esquema, tiveram a má sorte de estarem no sitio errado, no momento errado.
    Ao longo da história o que menos importou foram os mortos colaterais.
    Ou é ingénio ou não compreende que as "pessoas" são e sempre foram piões no xadrez mondial, valores mais altos se levantam...

    ResponderEliminar
  15. eu também acredito em algo assim ,e os passageiro vao servir de cobaias para alguns testes cientificos

    ResponderEliminar
  16. Decerto que algo aconteceu àquele avião. E não foi acidente coisa nenhuma. Os militares americanos, assim como o povo americano são parte do gado do Sião. Cada um desses grupos devidamente alocados na cadeia alimentar. Tudo que vem acontecendo, desde antes do colapso da URSS é manobra deste vilão que nunca mostra a cara, mas que manipula suas marionetes "goim", conforme ditam as regras do talmude. Pergunta-se:havia algum judeu naquele avião? Aposto que não. Nem um cachorro sequer oriundo das paragens de Judá, assim como não havia o Word Trade Center. O que seria interessante mesmo é saber o que aconteceu com a dta aeronave depois de ter pousado seja lá onde for. E o que aconteceu com o sinal da caixa preta? Seria detectada de algum lugar. Se não foi recebido nenhum sinal de qualquer parte gera-se uma suspeição de que o avião não caiu, e sim que pousou. De qualquer maneira há cerca de 70% de chances (no mínimo) que houve sim algum tipo de manobra conspirarória envolvendo o sumiço desse avião, assim como a derrubada do avião coreano sobre território russo anos atrás. Ha algo de muito no reino do Tio Sam(uel).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ja repararam na atitude e comportamento do governo americano, da CIA, do poder financeiro judeu e da própria Boeing, que ao que parece esta queda e muda....acho muito estranho...
      Alias, "mutatis mutandis" o mesmo aconteceu aquando do 11/9 lhe foram dar a novidade do incidente e a reacção dele foi nenhuma....acho muito estranho os "gringos" não estarem metidos no assunto....este eh um assunto dos serviços secretos...e quer-me parecer que se anteciparam ah China...???!!!

      Eliminar
  17. Eu acredito que caiu no mar , e devido a sua imensidão(o oceano) está dificil a localização desse avião.

    ResponderEliminar
  18. TENDO OS "STATES" NA ÁREA EU NÃO DUVIDO NADA, SÃO UNS "PELÉ"!

    ResponderEliminar
  19. isso parece ter cido preparado pelos pilotos de alguma forma como tbm pelos engenheiros, precionados pelo governo secreto mundial.

    ResponderEliminar
  20. QUEM MAIS TEM INTERECE EM MANTER ESTE SEGREDO ? O QUE FOI FEITO DOS PASSAGEIROS ?PORQUE SE CALARAM DEPOIS DAS PESQUISAS SEM ,QUALQUER RESULTADO ?

    ResponderEliminar